Os Campeões Brasileiros São Prejudiciais à WSL? - Stab Mag
Photo: Kelly Cestari/WSL

Os Campeões Brasileiros São Prejudiciais à WSL?

Um mergulho em finanças, audiência, rivalidade e muito mais.

Words by Steve Allain

Cada vez que um surfista brasileiro é derrotado em uma disputa acirrada, as mídias sociais são inundadas com alegações de parcialidade dos juízes. “Foda-se a WSL” e “World Shame League” compõem parte da poesia distribuída para o painel de jurados da liga. Normalmente, esses comentários são vistos pelo que realmente são – explosões de raiva de fãs apaixonados.

Mas quando um surfista do CT diz algo nesse sentido, é uma história diferente. Você pára e percebe.

“Você sabe por que eles não deram a pontuação para Ítalo, certo?” perguntou um surfista, que pediu para permanecer anônimo, dias após o término do Boost Mobile Margaret River Pro.

“Porque eles não consideraram o ar completo?” Eu sugeri.

“Não,” ele explicou. “O domínio brasileiro não é bom para os negócios. A WSL está cansada de Brazzos ganhando tudo e eles vão nos derrubar sempre que têm a chance.”

Uma acusação grave. E como disse o astrônomo americano Carl Sagan, afirmações extraordinárias requerem evidências extraordinárias. Nenhuma foi apresentada aqui.

Mas como esta não foi a primeira vez que um competidor brasileiro me disse exatamente a mesma coisa, não descartei essa teoria da conspiração não comprovada de imediato. Eu não estou no tour mundial. Eu não tenho a perspectiva de um atleta.

Então eu me perguntei: poderia haver alguma verdade nisso?

Pessoalmente, acho difícil de imaginar o CEO da WSL, Erik ‘Elo’ Logan, ligando para o juiz-chefe Pritamo Ahrendt e ordenando aos juízes que diminuam a pontuação de brasileiros sempre que possível. Parece tão duvidoso quanto, digamos, um círculo de pedófilos no porão de uma pizzaria. De qualquer forma, comecei a perguntar por aí.

Photo: Kelly Cestari/WSL

“Não acho que haja nada disso”, disse-me o ex-surfista do CT Ian Gouveia. “Mas tenho certeza de que se você perguntar a todos os meninos, você descobrirá que alguns deles acham que é verdade. Talvez eu seja ingênuo, mas simplesmente não vejo isso. “

Embora seja um pouco surpreendente (e preocupante?) que alguns surfistas do Tour realmente acreditem que são alvos de um esforço coordenado, você não pode levar a sério as alegações de conspiração feitas por alguém que deseja permanecer anônimo. Especialmente quando um colega refuta essas afirmações exatas e não tem nenhum problema em registrar.

Portanto, embora nada realmente indique que haja uma tentativa calculada de minar os surfistas brasileiros no Tour, uma pergunta válida permanece: o domínio do Brazilian Storm no cenário competitivo poderia ser prejudicial para o sucesso da WSL?

É importante esclarecer que estamos falando sobre o CT masculino nesta matéria. Do lado das mulheres, o Brasil não domina o campo, então o questionamento não se aplica (descubra por que não há Brazilian Storm Feminino aqui).

De volta à WSL, Elo expôs o plano do corpo administrativo para o futuro de forma bastante clara em uma entrevista, em maio.

“Existem cerca de 380 milhões de pessoas interessadas em surfe globalmente. Meu trabalho é encontrar essas pessoas, apresentá-las ao surfe competitivo e fazer com que assistam ao nosso conteúdo ”, disse ele à Seção de Esportes. “Somos um dos esportes mais jovens do planeta e provavelmente um dos esportes mais globais. O surfe é realmente um esporte global ”.

380 milhões de pessoas? Isso é um grande número, mesmo para a sempre otimista WSL. Mas se esses números estão inflados ou não, é irrelevante no momento. A questão é que a WSL tem como objetivo aumentar sua audiência global. E as formas de vitória do Brazilian Storm sem dúvida ajudaram nessa empreitada.

Vamos examinar.

Desde o primeiro título de Medina em 2014, o Brasil tem consistentemente obtido o maior número de visualizações no surfe. Pergunte a qualquer um que trabalhe no webcast e eles dirão (embora sem registrar, por algum motivo) que os brasileiros são de longe o maior público no esporte.

E embora seja quase impossível obter qualquer audiência real e números de visualizações da WSL – eles não os divulgam – monitorar os feeds ao vivo do Youtube e do Facebook nestes últimos eventos do Tour confirmam essa afirmação: No Surf Ranch, na tarde de sábado, o webcast em língua inglesa teve 7.800 espectadores no YT, enquanto o português teve 18.000. Mesmo durante a etapa australiana, quando os eventos aconteciam em um fuso horário totalmente oposto (para os brasileiros, os concursos começavam às 20h e terminavam às 5h), o webcast português ainda tinha mais espectadores – às vezes até o dobro da audiência.

“O sucesso do Brazilian Storm definitivamente diversificou a audiência, trazendo mais fãs e seguidores de países latinos e sul-americanos”, diz… O fundador e master shaper de Lost, Matt Biolos. “Isso fez com que o esporte se tornasse totalmente global em escopo.”

O problema é que as grandes quantias ainda estão nos mercados dos EUA / AUS. Crescer globalmente é ótimo, mas significa muito pouco quando os patrocinadores ainda estão concentrados nas nações de surfe mais tradicionais.

“Acredito que esses surfistas brasileiros estão elevando o nível de desempenho e desafiaram (e venceram) o status quo. Eles são estrelas e também atletas, mas os fatos são que isso torna as coisas mais difíceis para os poderes que estão no Surfe Profissional (WSL) e possivelmente para certas marcas no mercado do surfe que usam o surfe profissional como principal meio de comercializar seus produtos. A história mostra que as empresas americanas e australianas são as principais financiadoras do surfe profissional, impulsionando os negócios e lançando a conta ”, explica Biolos. “Essas empresas ficarão reticentes em financiar eventos e buscarão outros caminhos para atingir o público do surfe”.

A WSL parece saber disso muito bem, pois ainda trata o público de língua inglesa como seu público principal. Daí as enormes discrepâncias nas experiências de visualizações. Enquanto o webcast em inglês desfruta de um investimento substancial – com vários apresentadores, entrevistadores e comentaristas cobrindo a ação in loco em cada evento – o webcast em português é feito por uma equipe de três pessoas, sentadas em frente a uma tela no escritório da WSL na Califórnia. Sempre que há um comentarista (ou seja, Strider no canal ou Pete Mel verificando o equipamento), eles fazem o melhor para traduzir, na hora, o que está sendo dito.

É muito confuso e raramente acertam.

Os atletas brasileiros ainda são entrevistados em inglês, obrigados a responder em uma língua estrangeira, embora a maioria do público que assiste também não fale inglês. O maior público da WSL – brasileiros – tem uma experiência muito menos envolvente assistindo ao webcast.

Isso é repreensível, mas compreensível. Os brasileiros podem trazer mais audiência, mas não mais dinheiro. A indústria do surfe brasileiro está em apuros agora. As marcas estão lutando, os meios de comunicação estão fechando, os eventos estão no ponto mais baixo e o número de surfistas de primeira linha não patrocinados é maior do que nunca. É por isso que marcas não endêmicas são as principais patrocinadoras dos surfistas brasileiros do CT. As marcas locais de surfe geralmente não podem comprá-los.

Patrocinar os melhores surfistas faz sentido para as marcas tradicionais devido ao grande número de seguidores dos atletas – mas, como Biolos aponta, “a grande maioria desses fãs não surfa. Muitos não conseguem comprar os produtos básicos que a maioria dos surfistas estão endossando. Por isso que Gabby tem tantos patrocinadores não endêmicos, vendendo coisas que os espectadores podem comprar, como lâminas de barbear. Acredito que os brasileiros podem trazer muito mais atenção para o lado esportivo do surfe, mas não é como se eles estivessem participando dele. Não tenho dúvidas, pessoalmente, de que se os surfistas que falam inglês fossem mais dominantes, o dinheiro seguiria. ”

A Austrália, em contraste, atualmente tem apenas um surfista no Top 10 e atrai um público consideravelmente menor. Mas é um mercado maior, com mais dinheiro circulando para eventos, patrocínios e mídia. Os governos estaduais apoiam o esporte como em nenhum outro lugar, arcando com uma grande parte da conta dos quatro eventos que ocorreram recentemente em Down Under. Oras, boa parte dos  surfistas australianos ainda compra revistas de surfe! Vamos falar sobre suporte ao surfe.

Nestes tempos estranhos onde a mídia social dita muito de nossas vidas e a gratificação instantânea é a droga de escolha, é fácil olhar meia década para trás e considerá-la um grande pedaço da história – mas não é. Quando falamos em dominação brasileira no cenário competitivo, temos que reconhecer que é uma corrida inconstante. O Brasil conquistou quatro títulos mundiais nos últimos 7 anos. Quando você considera que John John Florence estava fora da comissão por quase dois deles, você percebe que os surfistas do Brazzo não foram tão dominantes, afinal.

Vamos comparar: a Austrália tem 16 títulos mundiais, a sequência mais longa sendo 7 títulos consecutivos, de 78 a 84. Os EUA tem 15 títulos, com cinco consecutivos de Slater nos anos 90 (nunca se esqueça!) E o Havaí tem 7 títulos.

Photo: Ed Sloane/WSL

“Sinto que os brasileiros ainda dominarão por alguns anos, porque agora apenas John John pode se igualar aos nossos melhores surfistas”, acrescentou Ian Gouveia. “Mas eventualmente as coisas vão mudar. É natural. ”

No surfe, assim como em todas as competições, as batalhas acirradas são muito mais interessantes do que os casos unilaterais. E todos no mundo do surfe mal podem esperar pelo retorno de JJF à competição.

“Não acredito que campeões brasileiros sejam ruins para a WSL, já que rivalidades são ótimas para qualquer esporte”, explica o ex-profissional e celebrado jornal de surfe brasileiro Julio Adler. “Basta olhar para o UFC. A maioria de seus campeões não é americana, mas os EUA são seu maior mercado. ”

Nesse sentido, pode-se argumentar que os campeões brasileiros só podem ser prejudiciais ao esporte se não houver outras nacionalidades lutando pelas vitórias. Enquanto John estiver na área, os fãs que falam inglês terão alguém para apoiar e, teoricamente, não perderão o interesse no surfe, afastando os patrocinadores do esporte. E isso assumindo que os australianos ficarão ao lado de John também. Se JJF sair de novo, ou decidir se aposentar e sair velejando ao redor do globo ou algo assim, isso forçaria o surgimento de uma nova geração dos EUA / AUS mais forte no futuro. Nada gera resiliência como tempos difíceis.

“Pense em um irmão mais novo que se cansou de ser derrotado e finalmente aprendeu a lutar”, explica o super técnico Leandro Dora. “Foi assim que nós, surfistas brasileiros dos anos 70 e 80, evoluímos. Observamos e aprendemos com australianos e americanos. Algumas gerações depois, estamos vencendo esses caras. ”

Talvez o pior cenário para a WSL – onde a dominação do Brazzo continua sem quaisquer adversários reais, fazendo com que os patrocinadores abandonem o Tour – não seja tão negativo no longo prazo. Porque para se tornar verdadeiramente global, o surfe precisa deixar de depender exclusivamente do mercado americano ou australiano.

“O sucesso do Brazilian Storm abre os olhos dos surfistas europeus”, explica Francisco Spínola, GM da WSL Europe. “Porque mostra que a dinâmica do esporte pode mudar rapidamente. Se, por décadas, australianos, americanos e havaianos dominaram completamente o surfe competitivo, agora os brasileiros são a força principal. Quem sabe se num futuro próximo, com muito trabalho árduo e apoio adequado, os surfistas europeus não são os que lutam pelos títulos mundiais? ”

O domínio brasileiro do CT pode, de fato, no curto prazo, significar menos patrocinadores para a WSL. No longo prazo, no entanto, pode ajudar a tornar o surfe verdadeiramente global, trazendo mais atenção para o esporte, inspirando surfistas de países em desenvolvimento em todos os lugares e tornando o Tour menos dependente dos mercados dos EUA / AUS.

Portanto, parece que os campeões mundiais brasileiros são realmente benéficos para o sucesso da WSL.

Talvez um webcast adequado em português esteja sendo providenciado agora?

Comments

Comments are a Stab Premium feature. Gotta join to talk shop.

Already a member? Sign In

Want to join? Sign Up

Advertisement

Most Recent

E.A.S.T. Musician Hobo Dave’s Inspiring Journey Through Brain Injuries, Mental Illness, And Surfing

His film ‘Suburban Wilderness’ is a feel-good, core lord hit.

Jul 30, 2021

Episode 2: Vans Stab High, Central America, Presented By Monster Energy

Bring an ice pack, the space cadets have been wounded.

Jul 30, 2021

Does Anyone Else Notice This Ladybird’s Resemblance To Dane Reynolds?

Caity Simmers surfs with a familiar tenacity.

Jul 29, 2021

How Did A Billabong Logo End Up On Italo Ferreira’s Olympics-Winning Surfboard?

Clever marketing team finds legal loophole.

Jul 29, 2021

Son Of Metallica Bassist Scores 11 Year Old’s Straight Air Waco Edit

Ryji Masuda rocks and rolls in Waco.

Jul 29, 2021

Ben Howard Knifes South Coast Nuggets In ‘153624’

Ben Howard chooses the double black diamond approach to tube riding.

Jul 29, 2021

What Did We Learn From The Olympics?

The biggest takeaways from a writer who watched every single heat.

Jul 28, 2021

Covert Jr. Editor Virtually Slips Through The Heavily Guarded Gates Of Olympic Surfing

Better watch now, this won't stay up for very long.

Jul 28, 2021

Neal Purchase Jnr Shapes The Feeling He’s Searching For

Great artists hide themselves in their work.

Jul 28, 2021

You Could Fit Your Neighbor’s Sprinter Van Inside Of These Puerto Escondido Tunnels

Mexican Pipeline continues to churn out the goods.

Jul 27, 2021

Where Are We At With Sustainable Surfboards?

Hello, elephant in the room! Let's hear from some industry innovators.

Jul 27, 2021

Italo Ferreira and Carissa Moore Are Surfing’s First-Ever Olympic Gold Medalists

Here's how they won.

Jul 27, 2021

Everything You Never Knew About Italo Ferreira

A window into the gold medalist's meteoric rise.

Jul 27, 2021

John Florence Listed As Questionable For The Remainder Of The CT Season

“I’ll most likely make the decision in the next two days or so.”

Jul 26, 2021

The Flamboyantly-Dressed Man Who Got Surfing Into The Olympics Details His Experience

ISA President Fernando Aguerre opens up to Stab the day before the gold medal match.

Jul 26, 2021

Steph Falls Off Her Horse, Andino Triumphs Over John, Gabs Potentially Spells End To Jules’ Career Outside Contest Area

Big-ish waves, sharp surfing and no shortage of drama on day 2 of the Olympic…

Jul 26, 2021

Do You Talk In The Lineup?

The Misc: Half-spoken rules

Jul 26, 2021

Shizunami’s Provocative Chlorine Ramp Continues To Tempt Us

The Volcom Japan team dips its toes in the world’s most desirable wave pool.

Jul 26, 2021
Advertisement